FALE CONOSCO 11 3291-5050
info@abat.adv.br
ASSOCIE-SE
Loja Virtual

Cadastre-se e receba gratuitamente nosso Informativo ABAT por 10 dias

Clique aqui para se cadastrar

Unafisco Pede Ao STF Fim De Dois Programas Do Refis

Associação critica parcelamento que reduz alíquotas da contribuição rural e afirma ser estratégia de negócio

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai discutir a constitucionalidade das leis que criam dois programas de parcelamento para recuperação fiscal (Refis). O primeiro é destinado a pessoas físicas e jurídicas e o segundo é direcionado para débitos dos produtores rurais.

A ação direta de Inconstitucionalidade (ADI 6.027) foi apresentada pela Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco). O objetivo, segundo o órgão, é impedir a “concessão reiterada” de parcelamentos especiais, que causam prejuízos aos cofres públicos.

A Unafisco critica o Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) que reduz as alíquotas da contribuição rural à Seguridade Social e o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT), criados entre 2017 e 2018. A associação impugnou os artigos 1º a 11 da Lei 13.496/2017, que instituiu o PERT e artigos 1º a 13 e artigo 39 da Lei 13.606/2018, que tratam do PRR.

Segundo Marcelo Bayeh, advogado que assina a ação, a ideia é afastar a concessão de parcelamentos especiais, que causam “vultosos prejuízos” aos cofres públicos. O advogado afirma que as leis ferem alguns princípios constitucionais como capacidade contributiva e livre concorrência.

“Os parcelamentos especiais concedidos a esses devedores se configuram em mais um instrumento de protelação ao pagamento, e muitas vezes, até do não pagamento do tributo”, diz trecho da petição inicial do órgão.

Em relação ao princípio da capacidade contributiva, a Unafisco afirma que a ideia é que cada cidadão deve contribuir com as  despesas públicas de acordo com sua capacidade econômica. No entanto, aponta, os benefícios dos parcelamentos não foram limitados a contribuintes com dificuldades em suas finanças.

A Unafisco citou um relatório oficial da Receita Federal segundo o qual cerca de 70% dos aderentes aos parcelamentos especiais são empresas com faturamento superior a R$ 150 milhões por ano.

Já sobre o princípio da capacidade contributiva, o órgão diz que os benefícios, concedidos sem qualquer requisito, acabam criando situação de desigualdade entre contribuintes com idêntica capacidade contributiva, sem que exista qualquer efeito indutor positivo para o desenvolvimento nacional que possa justificar o tratamento desigual.

“Os parcelamentos especiais concedidos a esses devedores se configuram em mais um instrumento de protelação ao pagamento, e muitas vezes, até do não pagamento do tributo”, opina o órgão no STF.

Além disso, o órgão aponta que a “reiterada concessão” de programas de parcelamentos especiais reduz a arrecadação espontânea, pois cria uma cultura de inadimplemento nos contribuintes.

Estima-se que a perda na arrecadação espontânea ocasione prejuízo anual de cerca de R$ 50 bilhões aos cofres públicos, segundo estudo da Unafisco Nacional sobre o tema. E os prejuízos atingem não só a União, mas igualmente Estados, Municípios e Distrito Federal.

O caso está sob relatoria da ministra Cármen Lúcia.

PERT x PRR

O PERT, previsto na Lei 13.496/2017, tem como benefícios a redução de até 90% dos juros e 70% das multas, possibilidade de utilização dos créditos de prejuízo fiscal e da base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e parcelamento da dívida em até 175 parcelas.

Já o PRR, criado pela Lei 13.606/2018, é um programa de parcelamento especial destinado especificamente ao setor rural, que possibilitou o parcelamento dos débitos referentes à contribuição para a Seguridade Social devida por empregadores rurais pessoa física  e pessoa jurídica, vencidos até 30 de agosto de 2017. Os descontos dos juros são de 100%, assim como das multas.

Histórico

A concessão de parcelamentos especiais começou em 2000, com a Medida Provisória 2.004-6, convertida na Lei 9.964/2000, que instituiu o Programa de Recuperação Fiscal (Refis). A justificativa era de que o país passava por um momento de instabilidade econômica, com alto índice de desemprego e um montante significativo de débitos fiscais acumulados.

Estudo da Receita Federal sobre impactos dos parcelamentos especiais, citado pela Unafisco, diz que desde a criação desta espécie de parcelamento cerca de quarenta programas já foram criados de 2000 a 2018, somando uma renúncia fiscal que ultrapassa os R$ 175 bilhões.

“Além da renúncia direta acarretada pelos descontos concedidos nesses programas, há uma perda indireta para os cofres públicos. Isso porque, um número considerável de contribuintes arca com o pagamento das primeiras parcelas do programa e, posteriormente, tornam-se inadimplentes, inclusive na espera de um novo programa para reparcelar suas dívidas”, afirmou o órgão.

LIVIA SCOCUGLIA – Repórter de tribunais superiores (STF, STJ e TST)

Acesso em:https://www.jota.info/tributos-e-empresas/tributario/unafisco-stf-fim-refis-01102018

Para acessar outras notícias, comentários sobre legislação e  jurisprudência, teses tributárias, artigos, opiniões, entrevistas e para receber a resenha de legislação e jurisprudência da Cenofisco  associe-se à ABAT.

Clique aqui para conhecer os planos de associação.

Tel.: (11) 3291-5050

info@abat.adv.br