Medida Provisória que cria o Programa Emergencial de Suporte a Empregos, com linha de crédito especial de R$ 34 bilhões, será analisada pelo plenário da Câmara dos Deputados

Redação

26 de junho de 2020 | 03h48

O Plenário da Câmara dos Deputados analisa agora a Medida Provisória 944/20, que cria o Programa Emergencial de Suporte a Empregos, com linha de crédito especial de R$ 34 bilhões para financiar até dois meses da folha salarial das empresas em geral (exceto sociedades de crédito) e as cooperativas. A operação será limitada ao financiamento de até dois salários mínimos (R$ 2.090) por empregado. Segundo o texto da MP, a União bancará 85% do empréstimo, e os bancos interessados em participar do programa, os outros 15%. O risco de inadimplência será dividido na mesma proporção (85%-15%). O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atuará como agente financeiro da União.

Luigi Nese. Foto: Divulgação

Luigi Nese, da Confederação Nacional de Serviços, diz que esta é uma medida salutar para financiar os salários e manter o emprego de baixo salário. Mas não desonera a folha e não diminui os custos das empresas que empregam mais, que são principalmente as de serviços. Se você não tem emprego, não tem salário para financiar.

Halley Henares Neto. Foto: Divulgação

O tributarista Halley Henares, presidente da Associação Brasileiro de Advogados Tributários, vê que o Governo Federal busca mais um modo de preservação do fluxo de caixa das empresas e do nível de empregabilidade. “Contudo, isso ainda é insuficiente diante da crise, pois o que se faz necessário é a efetiva suspensão do fato gerador da obrigação de pagar tributo sobre a folha por pelo menos 3 meses, isso sim descomprimiria o fluxo de caixa das empresas. Ademais, não é justo limitar a um teto tão baixo, pois empresas que empregam mais, pagam melhor os seus empregados e têm uma relação mais ‘comprometida’ entre faturamento e custo de folha, poderão estar fora do benefício, apenas pelo critério de teto, enquanto outras, que não cumprem essa função social e de promoção do emprego na mesma proporção serão beneficiadas. A simples limitação de teto não faz sentido. Muitos negócios bons e que precisam de apoio agora, ficarão de fora”.

Percival Maricato. Foto: Divulgação

Para o advogado Percival Maricato, toda ajuda é bem-vinda se for para valer. Todos os financiamentos anunciados com muito marketing pelo governo não chegaram nas pequenas empresas. Importante mesmo é a desoneração da folha, o que, de fato, estimularia empregos.

https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/sem-desoneracao-da-folha-programa-emergencial-para-suporte-a-empregos-sera-inocuo-dizem-especialistas/