FALE CONOSCO 11 3291-5050
info@abat.adv.br
ASSOCIE-SE
Loja Virtual

Cadastre-se e receba gratuitamente nosso Informativo ABAT por 10 dias

Clique aqui para se cadastrar

Governo Reabre Programa De Repatriação 

Receita Federal também esclarece dúvida sobre regularização de ativos mantidos no exterior

As pessoas físicas e jurídicas que possuem valores não declarados no exterior terão uma segunda chance para regularizar sua situação. Uma publicação no Diário Oficial da União desta sexta-feira (31/03) prevê a reabertura do programa de repatriação de recursos, porém com alíquotas menos favoráveis aos contribuintes.

As mudanças constam na Lei 13.428, que altera a norma que instituiu o programa de repatriação (13.254/16). O novo prazo, de 120 dias contados a partir da regulamentação da norma publicada nessa sexta, poderá ser aproveitado também por contribuintes que desejem complementar a declaração feita anteriormente.

Dentre as alterações que deverão ser observadas pelos contribuintes que aderirem à nova fase de repatriações está a multa incidente sobre o tributo pago. Antes de 15%, a penalidade passou para 20,25%. A alíquota de Imposto de Renda, de 15%, continua inalterada.

Para o advogado Cláudio Batista, do Domingues Sociedade de Advogados, a elevação da multa já era aguardada. “Era esperada essa majoração para beneficiar quem fez [a repatriação]na primeira oportunidade”, afirmou.

Batista salienta uma mudança positiva trazida pela nova lei: erros em declarações não levarão à exclusão do programa. De acordo com a nova redação do artigo 9 da Lei 13.254, “a declaração com incorreção em relação ao valor dos ativos não ensejará a exclusão do RERCT [Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária]”.

A nova norma manteve a proibição de entrada no programa de pessoas que ocupem cargos públicos, e possibilitou a aplicação do regime a espólios cuja sucessões tenham sido abertas até a data de adesão ao programa. Na redação original a data era 31 de dezembro de 2014.

Batista afirma que o escritório tem recebido consultas de pessoas interessadas em aderir ao programa de repatriação, e alerta para a importância de adesão de pessoas físicas ou jurídicas que tenham aderido anteriormente, mas não pagaram o imposto.

“O Fisco disse que elas podem usar o novo regime para regularizar ativos. Elas serão fiscalizadas”, disse.

Solução de Consulta

Além da reabertura do programa, consta no Diário Oficial desta sexta-feira uma solução de consulta que explicita o entendimento da Receita Federal em relação à inclusão de contas conjuntas no programa de repatriação. De acordo com o documento, o proprietário efetivo dos recursos da conta deverá fazer a declaração, incluindo o nome dos demais participantes.

A informação consta na Solução de Consulta 162/16. De acordo com a advogada Thais Veiga Shingai, do Mannrich, Senra e Vasconcelos Advogados, o texto esclarece que não é preciso que cada titular da conta faça a sua própria declaração.

Segundo Shingai, na primeira fase da repatriação o escritório se deparou com situações de pessoas que mantinham contas no exterior como uma espécie de poupança, e em muitos casos os contribuintes optavam por incluir filhos ou cônjuges como co-titulares.

“Essa postura da Receita é muito lógica”, afirma a advogada.

A “primeira leva” de repatriação rendeu aos cofres públicos R$ 50,9 bilhões em impostos e multas. Em novembro do ano passado o secretário da Receita, Jorge Rachid, afirmou que foram regularizados R$ 169,9 bilhões em recursos no exterior.

Bárbara Mengardo – Brasília

Acesso em:https://jota.info/tributario/governo-reabre-programa-de-repatriacao-31032017

Para acessar outras notícias, comentários sobre legislação e  jurisprudência, teses tributárias, artigos, opiniões, entrevistas e para receber a resenha de legislação e jurisprudência da Cenofisco  associe-se à ABAT.

Clique aqui para conhecer os planos de associação.

Tel.: (11) 3291-5050

info@abat.adv.br