FALE CONOSCO 11 3291-5050
info@abat.adv.br
ASSOCIE-SE
Loja Virtual

Cadastre-se e receba gratuitamente nosso Informativo ABAT por 10 dias

Clique aqui para se cadastrar

Coletiva de imprensa no Senado Federal, nesta terça, 22, 10h

Senador mostra reforma tributária para criar empregos, sem elevação de impostos e CPMF

 Proposta técnica, na parte da folha de salários, foi desenvolvida pela ABAT – Associação Brasileira de Advocacia Tributária

 

Em conferência de imprensa prevista para esta terça, 22, 11h, no Salão Verde da Câmara dos Deputados, o Senador Major Olímpio (PSL SP), detalha projeto de reforma tributária que incentiva a criação de empregos pela desoneração da folha de pagamento, não implica em elevação de impostos e muito menos em renúncia de arrecadação ou  adoção de qualquer sistemática de taxação de movimentação financeira/imposto digital. A Proposta de Emenda Constitucional 110/2019 conta com o apoio de diversas entidades empresariais, que estarão ao lado do senador. E tem desenvolvimento técnico, na parte da folha, pela ABAT – Associação Brasileira de Advocacia Tributária. Veja detalhes abaixo.

Halley Henares Neto, presidente da ABAT, está à disposição para entrevistas e orientações sobre o tema.

Contate:

Cleinaldo Simões, Lidiane Tanaka, Nayara Alves ou Soraia Morais

WhatsApp 11 98192-0700 – 11 98192 0002

Skype cleinaldo.simoes

FaceTime 11 98192-0700

ABAT desenvolve proposta que evita elevação de impostos e criação de CPMF em PEC da reforma tributária

Via de consenso aprimora sistema tributário por meio da desoneração parcial da folha de salários

 

A Associação Brasileira de Advogados Tributaristas elaborou estudo que aprimora o sistema tributário por meio da desoneração parcial da folha de salários através da redução de alíquotas e a simplificação da base de cálculo. Esta fórmula acaba de ser incorporada à Proposta de Emenda Constitucional 110/2019 por meio de emenda substitutiva global do Senador Major Olímpio. O trabalho se propõe a criar uma via de consenso dentro do Congresso Nacional. A discussão em torno do tema tem conduzido para empasse por sinalizar uma ruptura total com o que existe hoje. Nestas propostas a pretensão é de desoneração total da folha de pagamento, compensando a perda dramática de arrecadação pela elevação de alíquota do IBS – Imposto sobre Bens e Serviços e a criação de uma CPMF – Contribuição sobre movimentações financeiras.

Antes do isolamento forçado pela pandemia, Halley Henares Neto, presidente da ABAT, realizou apresentações em audiências públicas, na Câmara e no Senado, e percorreu muitos dos gabinetes do legislativo federal para exposição dos riscos de uma ruptura total. Juntas, CPMF e aumento de alíquota de IBS para, eventualmente, abarcar a seguridade social, desconfiguram a segurança do sistema atual. Impactam negativamente sobre a arrecadação da tributação previdenciária, essencial para a tranquilidade socioeconômica. E geram ambiente de inviabilização da carga tributária, sobretudo para o setor de serviços, que conta com muita mão de obra e poucos insumos cuja atividade corresponde à participação no PIB nacional. Ele explica ainda que exposições sobre o tema não fazem claramente distinção entre encargos trabalhistas (fora da reforma tributária) e previdenciários. Para complicar, enfatiza, há pouca clareza sobre a manutenção da folha e das relações de trabalho ligadas à Seguridade Social. Dessa forma, há sinalização de comprometimento da aposentadoria, que passaria a ser financiado apenas pelo Estado e empregados, sem a participação dos empregadores. O fim do financiamento diretor do empregador repetirá o erro que levou à necessidade da Reforma da Previdência. Para Henares, propostas gerarão uma espécie de “looping financeiro” com a criação de novo déficit orçamentário, ao passar dos anos, com a obrigação do Estado em repassar dinheiro para a seguridade.

Pontos centrais da proposta ABAT de desoneração parcial da folha, carreada para o “Simplifica Já” e, sobretudo, para o projeto de autoria do Senador Major Olimpio:

A proposta da ABAT compreende a simplificação e o alargamento da base de cálculo, a redução de alíquotas, uma tributação favorecida para enquadrados no Simples Nacional e MEIs e o aumento de rol de contribuintes, incluindo especialmente as empresas da economia disruptiva.

As vantagens da proposta de desoneração parcial da folha elaborada pela ABAT são:

– Simplificação e alargamento da base de cálculo

– Aumento do rol de contribuintes

– Diminuição da alíquota com desoneração parcial

– Promove e estimula a empregabilidade

– Diminui a informalidade

– Reduz a pejotização

– Diminui os litígios no sistema

– Garantia de arrecadação via calibração de alíquotas

– Fácil acoplagem ao sistema IBS

– Coerência com a PEC 6/2019 – Reforma da Previdência

– Os benefícios previdenciários levam em consideração o salário de contribuição do empregado, isto é, o valor que o empregador paga ao empregado, sendo por isso necessário que o custeio seja por ambas as partes e não somente pelo empregado;

– Evita um financiamento indireto por parte do empregador ao passo que o empregado continuará financiando

– Garantia de equilíbrio financeiro econômico e atuarial da Seguridade Social;

– Manutenção da base de cálculo sobre a folha e preparo para um sistema de capita.